16 de janeiro de 2016

Prioridade questionável


A prioridade realmente é relativa, seja para grávidas, pais com crianças pequenas, idosos ou pessoas portadoras de deficiência/ incapacidade, digo isto pois já presenciei demasiadas situações caricatas e também já senti essa relatividade na pele.

A lei somente se aplica aos serviços públicos, onde cheguei a ser mal tratada ao requisitar os resultados de exames necessários para efectuar análises durante a gravidez, queixei-me aos superiores verbalmente e agora a funcionária tenta tratar-me do melhor que há, eu é que não a tolero, porém trato-a sempre com respeito.

Em relação à lei em vigor obti esta informação no site da Deco:


" O atendimento prioritário é uma realidade que apenas se encontra legislada no âmbito dos serviços públicos (serviços de segurança social, hospitais ou serviços de finanças, por exemplo). Segundo o Decreto-Lei nº 135/99, de 22 de abril, este direito é concedido a idosos, doentes, grávidas, pessoas com deficiência ou acompanhadas com crianças de colo ou casos específicos, mas apenas no serviço público. (...)

...é comum que determinadas superfícies abertas ao público em geral, como supermercados, tenham caixas de atendimento prioritário para pessoas idosas, grávidas, pessoas acompanhadas de crianças de colo e pessoas com cadeira de rodas.



No setor privado, cabe à empresa disponibilizar ou não atendimento preferencial. Assim poderá estipular de forma clara as condições de acesso ao mesmo, para evitar conflitos com os restantes clientes e para que os beneficiários saibam exercê-los. A criação de filas ou senhas especiais para este tipo de atendimento pode ser uma solução. " 

As situações que vos reporto passaram-se todas em supermercados, onde vi mulheres a usar o excesso de peso para passar por grávida ( sei porque ouvi a prepararem-se para o efeito), tal como mulheres magras a dizerem que estavam no início da gravidez, tendo eu ouvido previamente a combinarem a história mais uma vez, pergunto apenas: para quê ? Vale a pena? O tempo que perdem, arriscando a serem descobertas e serem recambiadas para uma caixa normal acabando por esperar o triplo do tempo, é isso que fazem com tudo na vida?

 Tal como nos estacionamentos, sem nenhum dístico de portadores de deficiência, circulam em contra-mão, deixam os carros na diagonal e lá vão para as compras, pergunto-vos e os portadores de deficiência vão estacionar  onde? Civismo e respeito nunca fizeram mal a ninguém, já a falta dele....

Tenho de realçar que o Continente do Forumontijo e o Pingo Doce da EN114 têm caixas exclusivas para dar prioridade e são correctos no seu uso, atendem primeiro sempre quem tem prioridade mesmo que as pessoas sem elas se instalem lá. Os meus parabéns por isso, porque tirando o hospital nunca tive prioridade em lado nenhum e quando o pedia por estar no fim da gravidez e não aguentar tanto tempo à espera carregada de compras as pessoas da fila não ficavam agradadas com a situação.

É o país que temos, o bom senso que diminuiu, talvez evoluamos cientificamente, mas regredimos nas atitudes,respeito e civismo certamente.
http://2adultos1bebe.blogspot.pt/2012/08/prioridade.html


Já presenciaram ou sentiram na pele algo disto? Concordam com a lei e as atitudes quando se fala de dar prioridade a quem a merece?

2 comentários:

  1. Realmente há uma enorme falta de civismo e educação. Estacionar nos lugares reservados para pessoas com mobilidade reduzida, grávidas, etc., só para não andar um bocadinho... É ridículo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada vez mais penso que a humanidade está a regredir no que é essencial, sobretudo para conviver em sociedade. Se houvesse bom senso pelo menos, haveria mais respeito. Mas actualmente se chamamos a atenção de que está a agir errado, ainda nos habilitados a ser abatidos ou esfaqueados na via pública. Não é exagero, hoje mata-se por tudo, mata-se por nada....

      Eliminar